quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Afinal, enganei-me.

Pois. Direitos são direitos. Se a lei é boa para uns também é para outros. É a vida. Saiu-me um peso das costas que pareço um passarinho. 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Natal 2012






"Gabriela"

"Se prepara esta noite que eu vou-lhe usar."

A melhor prenda para oferecer a um gato.









 




Muito Obrigada Martuska e Gonçalo pelo cobertor eléctrico.

Nunca li o livro. Nunca tinha visto filme. Apenas ontem soube a história.

Que Deus e todos os Homens me perdoem por ter vivido 35 anos sem saber está história. Como pude viver até agora?

A caracterização está deslumbrante. A imagem e fotografia de tirar a respiração. E gostei da analogia do "teatro da vida", mas queria a opulência de um cenário russo.






Agora falta voltar a ler o livro.

16 de Novembro de 2012





35 anos sem me arrepender de nada do que fiz. E pronta para os desafios que ai vem. Venham eles que eu quero é vida.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

A descoberta da pólvora.

"Como fazer uma mulher subir pelas paredes em 5 técnicas infalíveis


Em geral os conselhos relacionados ao assunto raramente rendem o sucesso esperado. Mas não é o caso destas cinco técnicas infalíveis.
Técnica nº 1 : Mãos Molhadas

Sim, a técnica das mãos molhadas. Certamente a mais popular entre as mulheres. Tão simples. Tão excitante. Tu vais deixá-la completamente sem fôlego:

* Faz a tua parceira sentar-se numa cadeira confortável na cozinha. Certifica-te de que ela consegue ver muito bem tudo o que tu fazes.

* Enche o lava-louça da cozinha com água e adiciona algumas gotas de detergente para louça com aroma. (Existem muitos aromas que podem ser utilizados: maçã, limão, lavanda – escolhe o que quiseres. Se estiveres em dúvida, experimenta o ‘neutro’).

* Segurando uma esponja macia , submerge as tuas mãos na água e sente a tua pele ser envolvida pelo líquido até que a esponja esteja bem molhada..

* Agora, movendo-te devagar e gentilmente, pega num prato sujo do jantar, coloca-o dentro do lava-louça e esfrega a esponja em toda a superfície do prato. Vai esfregando com movimentos circulares até que o prato esteja limpo.

* Enxagua o prato com água limpa e coloca-o a secar. Repete com toda a louça do jantar até que a tua parceira esteja a gemer de prazer.



Técnica nº 2: Vibrando pela Sala

Esta técnica utiliza o que para muitas mulheres é considerado um “brinquedinho”. É um pouco mais difícil do que a primeira, mas com algum treino vais fazer com que a tua parceira grite de prazer.

* Cuidadosamente vai buscar o aspirador de pó no lugar onde ele fica guardado. Sê gentil, demonstra a ela que sabes o que estás a fazer.

* Liga-o na tomada, aperta os botões certos na ordem correcta.

* Vagarosamente vai movendo-o para a frente e para trás, para frente e para trás… por toda a carpete da sala. Tu saberás quando deves passar para uma nova área.

* Vai mudando graduadamente de lugar. Repete quantas vezes for necessário até atingir os resultados.



Técnica n° 3 : A Camisinha Molhada

Este joguinho é bem fácil, embora precises de mente rápida e reflexos certeiros. Se fores capaz de administrar correctamente a agitação e a vibração do processo, a tua parceira falará da tua performance a todas as amigas dela.

* Irás precisar de duas pilhas de roupa suja. Uma com as roupas brancas, e outra com as coloridas.

* Enche a máquina de lavar com água e vai derramando gentilmente o sabão em pó dentro dela (para deixar a mulher ofegante, usa exactamente a quantidade recomendada pelo fabricante).

* Agora, sensualmente coloca as roupas brancas na máquina… uma de cada vez… devagar. Fecha a tampa e liga o ‘ciclo completo’.

* Enquanto tu vês a tua companheira babar de desejo por ti, esta é uma óptima oportunidade para pores em prática a Técnica nº 2.

* Ao fim do ciclo, retira as roupas da máquina e estenda-as para secar. Repete a operação com as roupas coloridas…

Atenção: Se neste ponto ela começar a gritar algo como: – “Sim! Sim! Ai! Isso! Ai mesmo! Oh meu Deus! Não pares! Não pares não!” Não pares. Continua até que ela esteja exausta de prazer.



Técnica nº 4: O que sobe, desce

Esta é uma técnica muito rapidinha. Para aqueles momentos em que tu queres surpreendê-la com um toque de satisfação e felicidade. Podes ter a certeza, ela não vai resistir.

* Ao ir ao WC, levanta o assento da sanita. Ao terminares, baixa novamente.

* Faz isto todas as vezes.

* Ela vai precisar de atendimento médico de tanto prazer.



Técnica nº 5: Gratificação Total

Cuidado: colocar em prática esta técnica pode levar a tua companheira a um tal estado de sublimação que será difícil depois acalmá-la, podendo causar riscos irreversíveis à saúde da mulher.

* Esta técnica leva algum tempo para aperfeiçoar. Empenha-te com afinco. Experimenta sozinho algumas vezes durante a semana e tenta surpreendê-la numa sexta-feira à noite. Funciona melhor se ela trabalhar fora e chega cansada a casa.

* Aprende a fazer uma refeição completa. Sê bom nisso.

* Quando ela chegar a casa, convence-a a tomar um banho relaxante (de preferência aromático numa banheira de água morna que tu já preparaste).

* Enquanto ela está lá, termina o jantar que tu já adiantaste antes dela chegar a casa.

* Após ela estar relaxada pelo banho e saciada pelo jantar, procede com a Técnica nº 1.

* Presta atenção nela pois o estado de satisfação será extremamente alto, podendo causar coma repentino."

Retirado daqui.

"Gabriela"

"Coitado é filho de rato que nasce pelado"

"Até que a morte nos separe"

Imagem retirada daqui.

Este ano já foram assassinadas 30 mulheres pelos seus parceiros. TRINTA. Trinta pessoas. Trinta. Trinta. Trinta. Apetece-me chorar.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Fartinha que ando disto.

Estou com uma constipação de morrer desde segunda. Já não aguento mais.

O melhor de todos.



Não li os livros. Gostei dos filmes todos, mas este foi o meu preferido. Acho que a personagem da Bella está perfeita. Como se tivesse de facto nascido para ser vampira...


quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Isto da manif está a dar que falar. Pelos vistos a bófia fartou-se de levar na tromba.

No FB é só farpas e balas. Uns concordam outros discordam; há quem comece a dizer que não é violenta mas que se não for assim não saímos da crise. Tudo a falar e a falar dos políticos, dos polícias, da crise, dos corruptos, da elite, da vergonha,... da "pata que os pôs". Minha gente vivemos numa democracia, certo? Já repararam nisso? Todos os nossos políticos após o 25 de Abril foram eleitos. ELEITOS. Escolhidos por nós. Qual é a dúvida? São somente um reflexo nosso, nada mais. A única diferença é que cada um rouba na escala a que está sujeito. O Zé povinho foge ao fisco, faz amigos a pensar na cunha, não passa nem pede recibo, dá palmadinhas nas costas de quem insulta e de quem engana o próximo, espeta a faca bem fundo sempre que pode, vende-se por uns míseros euros para fazer parte da casta... Nós somos como eles e eles são como nós. A questão é: se nós estivéssemos no lugar deles faríamos o mesmo? Quando um de nós, do povo, chega a um cargo de poder, escolhe o quê? A honestidade ou a corrupção? Falamos muito dos nossos políticos como se fossem entidades surreais, saídas de um filme de ficção, como se não fossem da nossa gente... Mas são. Podem ser uma elite privilegiada, mas o povo está longe da inocência. E enquanto o povo vir a elite como algo fora de nós isto não vai lá. Enquanto a elite for tratada como elite não conseguiremos fazer a mudança. Porque a elite desperta o que mais move um português: a inveja. A inveja de querer ser como eles.         

Por mim estas almas coninhas amanhã passavam a manhã e a tarde a arranjar a calçada que destruíram hoje.

E ainda pagavam os escudos partidos pelas pedras que atiraram. 

Gente que vai a uma manifestação de cara tapada não merece respeito.

A cobardia é uma coisa muito feia.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O senhor Miguel Sousa Tavares fica muito ofendido com a tradução em brasileiro feita na visita da Sr.ª Merkel; mas quando a amiga brasileira dele cospe nas fontes portuguesas já somos nós que não temos sentido de humor nenhum.

“Isto é uma reacção provinciana e saloia dos portugueses. Somos um povo sem capacidade de humor e autocrítica. (...) Só um povo com complexos é que se sente melindrado com uma coisa destas. Não temos de estar sempre a ser elogiados como se fossemos um povo exemplar”.

Só para recordar as palavras do senhor. Cheira-me que ele nos últimos tempos também anda a perder o sentido de humor. Está azedo. 

E agora deu-me os nervos e reconheço que os assuntos (a brasileira Maitê e a tradução brasileira da Merkel) não se podem comparar, mas irrita-me esta alma todas as segundas alapada na SIC a opinar sobre tudo e mais alguma coisa. Com que crédito? Que vale a opinião dele? Porque está ele ali e não o Zé da esquina? Aliás não percebo porque teimam os telejornais em ter fazedores de opinião. É só falar e falar. A dizer aos portugueses o que devem pensar. Tretas. Tudo tretas. Vejam o video do Marcelo.

Também não é erótico a este ponto.

Que coisa mais feia. Xiça.

É pá não vejam o video promocional do Marcelo que até agora estou arrepiada e com uma sensação de vergonha alheia que já não aguento. Que coisa mais feia. Fosga-se se aquilo passa na Alemanha ou em qualquer outro nosso comparsa europeu é que está tudo tramado. Nós não somos assim nem pensamos assim. Vão armar-se em coitadinhos pobrezinhos para outro lado. 

Que cambada de papagaios fala barato.

Veio cá o Chávez e ninguém abriu a boca. O Kadafi acampou no nosso quintal e foram pouquíssimas as vozes que se ouviram. O Eduardo dos Santos anda por cá a seu bel prazer. Mas o que choca este nosso povo é a vinda da Merkel. Os portugueses deviam olhar para si próprios e ver o quanto são ridículos e os únicos culpados da sua situação. Os únicos culpados.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Uma amiga disse-me que estava grávida...

e eu chorei.

Sinto sempre picadas no coração quando ouço falar deste assunto. Não consigo evitar imaginar um cataclismo à boa forma bíblica.

Mais um traço...

Este blog tem andado meio cinzento portanto vou dar-lhe umas pinceladas de néon

A nova Procuradora-Geral da República.

Ainda não me tinha apercebido que íamos trocar de Procurador Geral... Ufa! estava a ver que o Pinto Monteiro não saía dali. Depois da entrevista dele ao expresso a 4 de Outubro tive a real noção do perigo que esta alma pode provocar. Com todas as criticas que agora colocou em livro é caso para perguntar: "Mas por onde andou o menino nos últimos 6 anos? Andou lá a fazer o quê?" Ainda bem que não estava disposto a ficar nem mais um dia. Agradecemos a prontidão. Agora temos uma mulher. Não a conheço mas agrada-me que seja presidente da direcção da APAV. Agrada-me que tenha conhecimento destas matérias. E a meu ver o que faz falta são mulheres a tomar decisões. "Girls, we run this motha'fucker!!"

O livro que acabei de ler.

"O I Ching não oferece provas nem resultados: não faz alarde de si nem é de fácil abordagem. Como se fosse uma parte da natureza, espera até que o descubramos. Não oferece nem fatos nem poder, mas, para os amantes do autoconhecimento e da sabedoria - se é que existem -, parece ser o livro indicado. Para alguns, seu espírito parecerá tão claro como o dia; para outros, sombrio como o crepúsculo; para outros ainda, escuro como a noite. Aqueles a quem ele não agradar não têm por que usá-lo, e quem se opuser a ele não é obrigado a achá-lo verdadeiro. Deixem-no ir pelo mundo para benefício dos que forem capazes de discernir sua significação."

C. G. Jung

 Imagem daqui.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Dia Mundial dos Animais



Dois dos meus animais preferidos em momentos de lamechice. Margot teve direito a 70 gr de comida hoje. Vá.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Imperdível.



Descobri o video aqui.

300 euros bem gastos...

... na manutenção do Tamagochi. Substituíram tubos e mais tubos, correias, filtros, óleos, cenas no motor, escova do vidro traseiro. Ainda não tenho dinheiro para a solfagem e neste Inverno ainda me esperam vidros abertos a baixas temperaturas, mas o fofo está ligeiro, ligeiro. Devagar se vai ao longe e ainda vou ter este menino artilhado. Mais um pouco e saía da NORAUTO num Porsche. Mas ele faz amanhã 22 anos e merecia uma prenda à altura.

Não percebo essa histeria com os feriados nacionais.

Tanta conversa e perda de energia por causa de um assunto de merda. São só desculpas para não mudarem rigorosamente nada nos seus comportamentos e atitudes. É que não querem alterar um pentelho. Se calhar não precisamos mesmo mudar nada. Se calhar estamos mesmo bem é assim, exactamente como estamos. Se calhar não consigo mesmo continuar neste país, inserida nesta sociedade. Se calhar eu é que estou errada e o melhor que posso fazer é seguir o ditado "quem está mal, muda-se". Acabaram-se os jornais por hoje. Vou só ver o fofinho do Gaspar e depois nada de notícias. Começo a borbulhar.

Acho uma pena as pessoas, nesta altura do campeonato, manifestarem-se através das greves.

Amanhã, véspera de feriado nacional, a CP, a Metro e a Rodoviária vão fazer greve. Tem quatro dias de descanso e espero que o façam da melhor forma. Lamento que para tentarem conseguir o que querem tenham de prejudicar milhares que não tem qualquer culpa do que quer que seja - tirando a culpa geral que todos temos na degradação da nossa sociedade . Acho triste. Se calhar, quando um dia mais tarde, nas vicissitudes da vida, eles precisarem do apoio dos milhares, os milhares também se vão estar a borrifar para eles. Ou não. Seria bom que de repente as pessoas enlouquecessem e se começassem a preocupar verdadeiramente umas com as outras. Na base do "hoje eu, amanhã tu". A fazer pelos outros aquilo que gostariam que fizessem por eles. Isso, sim, seria uma revolução bem diferente. E bem bonita.

Vão chamar-me de tola...

Mas o que eu não dava para estar na ilha quando o Nadine passar. No continente as "tempestades" parecem sempre coisa para boi dormir. No Açores o vento é vasto e ensurdecedor; a chuva parece que encosta o céu à terra; e uma tempestade lembra-nos toda a nossa existência. Sinto-me sempre assoberbada com o mau tempo do Atlântico Norte: deixa-me sempre mais viva.

Com tanto post seguido cheira-me que só volto aqui daqui a um mês.

...

BUJANGASANA - Postura da Cobra



Ontem voltei à prática. E quando fiz esta postura o peito parecia que se ia abrir. Mas no bom sentido. Ler como se executa aqui.

Pormenores interessantes dos meus dias como desempregada

330 ml de Coca-Cola tem exactamente 35gr de açucar. Doze cubos dos abaixo ilustrados. Doze. Dá para fazer uma torre. Numa latinha. Nunca mais beberei a "àgua suja do capitalismo".

Foto daqui.

Tenho um novo despertador

Antes de adormecer concentro-me na hora a acordar. E penso nas razões que tenho para o fazer: a 5 minutos da hora "marcada" abro os olhos. Simples.

Vou dormir.

Já estou com o bicho... da "Febre dos Fenos"

Descobri o blog à pouco e agora não o consigo largar... 

Tenho um amigo que quase só me procurava para isto.


Hoje enervei-me a sério.

Depois de passar 10 kg de roupa acalmei-me.

U - U

Lá está coruja novamente.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Estava à procura de umas fotografias na net para ilustrar umas receitas que fiz este fim-de-semana e toda a gente ficar a saber o que me encheu a pança e descubro que a minha "chef" preferida foi acusada de plágio em 2011.

Aparte este pormenor as iguarias foram:

Creme de ervilhas com hortelã (de comer tudo e lamber o prato!)
Granola Dourada (que com o Outono fica tão bem)
Bolo de Chocolate (sexta-feira às 23h e come-lo quente, a fumegar com um copo de leite frio)
Hambúrgueres de grão e queijo feta (que ainda não provei porque foram para o congelador para emergências)
Fatias de espinafre, feta e tomate (para aproveitar queijo feta já quase amarelo)

Eu cá não sei se ela plagiou ou não. A verdade é que todas, todas as receitas que faço do "Dias com Mafalda" resultam maravilhosamente bem e babo-me com tudo...

Vou postar aqui um texto que descobri do blog "Febre dos Fenos" e que acho brilhante.


"Como diz uma colega minha este post "até manda ventarola"

Só tenho feito posts de merda sobre coisas de merda porque tenho a cabeça demasiado cheia de coisas importantes, e quando estou na fossa ou tenho coisas a preocupar-me rodeio-me de cor-de-rosa e de florzinhas, a ver se passa, a ver se puxo a coisa para cima, mas tá difícil, estou a ler o "Humilhação e glória" da Helena Vasconcelos e apetece-me gritar com as pessoas, apetece-me acordar toda a gente à chapada, que porra de mundo é este, as coisas que ainda se fazem às mulheres no séc. XX, cobrem se com burkas ou apedrejam-se com palavras por aparecerem nuas em revistas, é só papel, gente, é só papel couché, a nudez não tem nada de errado, uma mulher pintar-se e querer parecer bonita não tem nada de errado, porque é que discutir sapatos é fútil e porra do futebol não é, se eu mandasse nesta merda nacionalizava a porra dos passes dos jogadores de futebol, são tão ou mais burros que as meninas que aparecem na playboy e correm atrás de uma bola como as crianças, não descobrem a cura para o cancro, isso não tem mal nenhum, mas não insultem as meninas que querem ser bonitas, não insultem as pessoas que querem ser amadas, não me venham com conversas de futilidade que futilidade é julgar o doce pelo frasco, e não se ponham a chamar de puta como se isso fosse insulto, puta devia ser elogio, as putas aguentam coisas que nenhum de vós aguentaria, as putas aguentam coisas que vos poriam a chamar pelas mamãs, as putas têm o meu completo respeito, vida fácil o caralho, vida fácil é inscrever-se numa juventude partidária e tirar o curso pelo correio, vida fácil é viver à custa do dinheiro dos outros sem fazer nada por isso, eu carrego esta cruz da educação que os meus pais me deram, de ser honesta e de não desejar mal aos outros, mas hoje isso é demasiado pesado para carregar, e por gostar tanto de uma coisa dá-me mais vontade de abandoná-la do que vê-la degradar-se, se eu tivesse nascido no séc. XIX era apelidada de bruxa porque penso e falo, se as pessoas prestassem atenção aos exemplos que dão provavelmente deixavam de ser tão exigentes com os outros e passavam a exigir mais de si próprios, se as pessoas se vissem filmadas em vídeo, se lhes esfregassem na tromba os dejectos daquilo que dizem e fazem, como se faz aos cães para os treinar talvez aí morressem de vergonha e renascessem melhores pessoas, estou farta de ser desconsiderada por ser mulher, farta da falta de respeito e da prepotência de pressuporem que há coisas que eu devo fazer e maneiras que eu devo ter por ser mulher, e esta merda toda dá-me vómitos e corrói-me de ácido as entranhas e dá-me vontade de partir para a violência, as injustiças meu deus, a crueldade vinda de quem devia ter inteligência para perceber a fragilidade do outro, não me importo que achem que sou burra desde que me tratem com respeito, enoja-me a superioridade intelectual que agride, enoja-me a superioridade religiosa que despreza, enojam-me os clichés do se é rico é mau, se é bonita é burra, toda a gente sempre cheia de pressa de julgar o outro e metê-lo numa gavetinha, tu és xixi, tu és cocó, não passam de um estádio infantil, não se enxergam, reclamam da crise e depois comportam-se como se a crise fosse só para eles, os outros que se fodam, as mulheres que trabalham 16 horas por dia para sustentarem filhos que os maridos abandonaram, e os patrões delas que se acham tão superiores, que lhes exigem salamaleques e cabeça baixa, que as obrigam a tornarem-se invisíveis, nem bom dia nem boa tarde, não existem aquelas mulheres, os corações dos sem coração deviam explodir de falta de uso, as gravatas deviam apertar-lhes as gargantas até sufocarem, esses cabrões de fato, a coisa tá agreste, digo e repito tu não és mais que os outros porque tens um canudo, um carro, uma casa ou uma empresa, estou farta de faz de conta, as pessoas deviam-se ajudar e unir, ter compaixão, mas é o salve-se quem puder, cada um para seu lado, só exigem, exigem, exigem dos outros e não dão nada, não dão nem o benefício da dúvida, e depois vem o Natal e dão esmola aos pobrezinhos e batem no peito com a mão, nasceu jesus, e vão à missa e papam hóstias e pagam o dízimo e compram prendas para oferecer a pessoas de que não gostam e de quem estão sempre a falar mal e fazem assim sempre sem questionar o que fazem, ninguém os ensinou a pensar, acham que os livros enfeitam bem as prateleiras, que as universidades são centros de emprego e que o conhecimento deve ser operacional, de que serve o homem ir a marte, de que serve estudarmos o cosmos, o que interessa é um emprego a vender tapetes, os tapetes são úteis, aprendem a vocação de capacho porque nunca aprenderam a pensar, a história, a filosofia e a arte não servem para nada, a cultura não serve para nada, são pessoas sem memória, sem pensamento e sem beleza, condenadas a cometer todos os erros do passado, porque não estudaram história, condenadas a não se entenderem nem entenderem o outro porque não sabem o que é a filosofia, condenadas a não perceberem a beleza, indivíduos sem pinga de sentido crítico, grunhos, hooligans que tomam partido sem saber porquê, que defendem coisas que não compreendem apenas porque pensam que isso lhes poderá trazer algum benefício no futuro, eu estou enojada, enojada, enojada destas crianças artificiais que não se sabem relacionar com as pessoas, que só vivem para os ecrãns, que não sabem conversar, comunicar, que vivem alheadas da realidade em redomas de interactividade virtual, sem afectos, sem abraços, que não reconhecem o outro, que acham que o normal é as pessoas não terem pêlos em lado nenhum, que o normal é ter mamas e pilas grandes, que o normal é não cheirar mal, não suar, não cagar, que o normal é uma banda desenhada da vida, estão todos tão longe, tão longe da natureza, a natureza tão maltratada, tão subjugada pelo artificial que temo que aqui onde estamos, neste ponto da humanidade apenas uma tragédia, um desastre natural, um cataclismo seja suficiente para nos pôr no nosso devido lugar. E eu não sou melhor nem pior que os outros. Amén."

Coloquei a bold a frase que penso ser uma das mais bonitas que li na vida. Vi os meus ataques de ira tão bem descritos que li o texto várias vezes em voz alta... Mais um pouco e já esbracejava doida. Muito bom.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Comprimento de Onda



Hoje tive mais dificuldade em manter-me activa mal acordei. Precisava fazer umas coisas mas faltava-me a vontade, a alegria do "fazer". E ouvi esta música. E ainda nas primeiras palavras percebi que era este o comprimento de onda. Grande ano o de 1977.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

"A arte de ser Terceirense"

Um dia saí da Terceira, mas a Terceira não saiu de mim. Gosto incondicionalmente desta ilha, porque foi aqui que dei os passos decisivos da minha vida.
A Terceira é muito mais do que o Monte Brasil, o Castelo de S. João Baptista, o Algar de Carvão, a Serra do Cume, a Base das Lajes, o jardim Público de Angra de Heroísmo ou o vasto areal da Praia da Vitória. Esta ilha não é só a alcatra, a belíssima doçaria conventual ou o delicioso vinho dos Biscoitos. A Terceira é um estado de espírito, um modo de ser, um sentimento. Talvez de amor. Porventura de paixão. Certamente de afeto.
O terceirense cultiva a alegria, é acolhedor e comunicativo, vibrante e afável, sincero e solidário. Ele é a sentinela de atalaia ao seu passado histórico e heróico, revelando um pátrio amor à sua ilha. E é óbvio: o terceirense orgulha-se da sua "muito nobre, leal e sempre constante cidade de Angra", de cunho senhorial e bela traça renascentista, duas vezes capital do Reino, porque aqui já foi só Portugal: na resistência ao domínio filipino, e durante as lutas liberais. Hoje Angra do Heroísmo é património mundial e capital histórica e cultural dos Açores.
Contrariamente ao micaelense, mais afeito à tristeza dos romeiros da Quaresma ou à carga penitencial do culto de Santo Cristo, o temperamento do terceirense é lúdico e dionisíaco.
Com efeito, não conheço povo mais exuberante, festivo e festeiro. A sociabilidade é, na Terceira, uma arte com refinado estilo. O terceirense atira-se de alma e coração ao convívio. Mais do que qualquer outro açoriano, ele tem um espírito festivo. E a alma da Terceira encontrou no toiro embolado e amarrado pelo pescoço o pretexto para a festa, sobretudo o 5º toiro... Sim, a tourada à corda é a festa coletiva da ilha Terceira e é o espaço de todas as conversas, de todos os afetos e de todos os reencontros.
Quem é da Terceira faz a festa não para a interpretar, mas para a viver. Identifica-se incondicionalmente com a festa taurina (touradas de corda, de praça e "espera de gado"), e com as festividades do povo e para o povo: as festas do Espírito Santo, o despique das cantorias, a comicidade hilariante dos bailinhos de Carnaval, o frémito das Sanjoaninas e das Festas da Praia e tudo o que sejam eventos religiosos e profanos. O que ele quer é festa porque a festa está-lhe na alma e corre-lhe nas veias. E o seu amor é "firme e constante", como diz a moda regional. Gosta de música e de teatro popular e, entre folias e folgas, prefere as folgas...
De resto, a Terceira, ilha agropecuária, é a hospitalidade da porta aberta e luz acesa - a casa aonde chego, vou abrindo e entrando: "Dão licença"? Resposta: "É entrar p´ra dentro". Como eu gosto e me identifico com esta brava gente da fraterna simpatia: os Andrades, os Barcelos, os Bettencourts, os Bretões, os Borbas, os Borges, os Coelhos, os Cotas, os Coutos, os Drummonds, os Fagundes, os Fourniers, os Godinhos, os Linhares, os Machados, os Martins, os Mendes, os Menezes, os Monjardinos, os Noronhas, os Pamplonas, os Pains, os Parreiras, os Regos, os Rochas, os Sieuves, os Silvas, os Sousas, os Valadões, os Vieiras, entre muitas outras famílias terceirenses.

Como eu gosto e me identifico com esta brava gente da fraterna simpatiaMas o "rabo torto" também tem lá as suas artimanhas: é pagão quando lhe interessa e religioso quando lhe dá jeito... No seu estudo "O Açoriano e os Açores" (1), escreve Vitorino Nemésio: "O que no micaelense é aspereza, índole tenaz mas tosca, no terceirense é amenidade, alguma manha, e principalmente uma bizarria que trai a coabitação com o castelhano durante meia centúria". Ou seja, o terceirense tem as qualidades dos seus defeitos...
Dotado dessa "bizarria", o terceirense é galante, tem um jeito marialva e resquícios de alguma nobreza perdida. Um ditado açoriano muito antigo assim reza: "S. Miguel, burgueses ricos; Terceira, fidalgos pobres; Faial, contrabandistas espertos".
E as terceirenses? São afoitas e literalmente bonitas, aliás, a Terceira tem justa fama de possuir as mulheres mais belas dos Açores. É discutível, mas é verdade. No Verão de 1924, tirando notas para o seu magnífico livro As Ilhas Desconhecidas (2), Raul Brandão fala da beleza da mulher terceirense nos seguintes termos: "Foi aqui que vi as mais lindas figuras de mulheres dos Açores - tipos peninsulares, de cabelos negros e olhos negros retintos".

(Vai para 40 anos que também eu, na "ilha de Jesus", me apaixonei por uns olhos negros, negros...).



Posso estar muito enganado, mas sinceramente continuo a achar que o melhor que a Terceira tem são os terceirenses.



(1) Sob os Signos de Agora, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1995.

(2) Edição de Artes e Letras, Nova Gráfica, 2009.
por: Victor Rui Dores



terça-feira, 18 de setembro de 2012

"Quem Poderá Calcular a Órbita da sua Própria Alma?"

"As pessoas cujo desejo é unicamente a auto-realização, nunca sabem para onde se dirigem. Não podem saber. Numa das acepções da palavra, é obviamente necessário, como o oráculo grego afirmava, conhecermo-nos a nós próprios. É a primeira realização do conhecimento. Mas reconhecer que a alma de um homem é incognoscível é a maior proeza da sabedoria. O derradeiro mistério somos nós próprios. Depois de termos pesado o Sol e medido os passos da Lua e delineado minuciosamente os sete céus, estrela a estrela, restamos ainda nós próprios. Quem poderá calcular a órbita da sua própria alma?"

Oscar Wilde, in 'De Profundis'


"A thousand kisses deep"

For Those Who Greeted Me *)



1. You came to me this morning

And you handled me like meat.

You´d have to live alone to know

How good that feels, how sweet.

My mirror twin, my next of kin,

I´d know you in my sleep.

And who but you would take me in

A thousand kisses deep?



2. I loved you when you opened

Like a lily to the heat.

I´m just another snowman

Standing in the rain and sleet,

Who loved you with his frozen love

His second-hand physique -

With all he is, and all he was

A thousand kisses deep.



3. All soaked in sex, and pressed against

The limits of the sea:

I saw there were no oceans left

For scavengers like me.

We made it to the forward deck

I blessed our remnant fleet -

And then consented to be wrecked

A thousand kisses deep.



4. I know you had to lie to me,

I know you had to cheat.

But the Means no longer guarantee

The Virtue in Deceit.

That truth is bent, that beauty spent,

That style is obsolete -

Ever since the Holy Spirit went

A thousand kisses deep.



5. (So what about this Inner Light

That´s boundless and unique?

I´m slouching through another night

A thousand kisses deep.)



6. I´m turning tricks; I´m getting fixed,

I´m back on Boogie Street.

I tried to quit the business -

Hey, I´m lazy and I´m weak.

But sometimes when the night is slow,

The wretched and the meek,

We gather up our hearts and go

A thousand kisses deep.



7. (And fragrant is the thought of you,

The file on you complete -

Except what we forgot to do

A thousand kisses deep.)



8. The ponies run, the girls are young,

The odds are there to beat.

You win a while, and then it´s done -

Your little winning streak.

And summoned now to deal

With your invincible defeat,

You live your life as if it´s real

A thousand kisses deep.



9. (I jammed with Diz and Dante -

I did not have their sweep -

But once or twice, they let me play

A thousand kisses deep.)



10. And I´m still working with the wine,

Still dancing cheek to cheek.

The band is playing "Auld Lang Syne" -

The heart will not retreat.

And maybe I had miles to drive,

And promises to keep -

You ditch it all to stay alive

A thousand kisses deep.



11. And now you are the Angel Death

And now the Paraclete;

And now you are the Savior's Breath

And now the Belsen heap.

No turning from the threat of love,

No transcendental leap -

As witnessed here in time and blood

A thousand kisses deep.


September 21, 1998

Leonard Cohen

Longas noites

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Ai Ferreira Leite...

"Chupa que é cana doce"

Meus senhores não quero saber do Paulo Portas. Ele faz parte do governo e já foi dita qual a posição deles.

Quero esclarecimentos sobre cortes nas gorduras de estado. NADA MAIS.

A partir do momento que vejo o Seguro, o Bagão Félix, o Mário Soares, a Ferreira Leite, o Jerónimo de Sousa e sei lá mais que ricos amigos terem a mesma opinião...

Fico de pulga atrás da orelha. Fico. Fico. Sou só eu? A sério: a Ferreira Leite a concordar com o Jerónimo? Não é estranho? O Bagão Félix e o Mário Soares?

"Blá, Blá, Blá whiskas saquetas; blá, blá, blá whiskas saquetas"

Exemplos de propostas do PS em alternativa às novas medidas de austeridade:

- Aumentar os impostos às PPP (curiosamente as PPP que eles próprios criaram);
- Conquistar a confiança e mobilizar a esperança do povo português.


Ui, Ui... Nem quero imaginar o pacote completo.
 

Um grande ano este de 2012